ACIFI busca poucos candidatos, afim de que Foz eleja representantes

ACIFI, a principal entidade empresarial do extremo Oeste do Paraná, convocou hoje, 31 de julho, pela manhã os presidentes de todos os partidos políticos da cidade uma importante reunião para discutir o futuro político de nossa cidade.

Sob a liderança de Faisal Mahmoud Ismail e Walter Venson, a Acifi se mostrou preocupada sobre a situação política de Foz, que por conta do excesso de candidatos “fracos”, pode ficar mais uma vez sem representantes legislativos.

Deixaram em aberto as seguintes perguntas: seu partido tem algum candidate viável? Seu partido estaria disposto a abrir mão de uma candidatura que não tem viabilidade?  

Dando em seguida espaço para que várias personalidades da vida pública iguaçuense, fizessem o uso da palavra.

Para o vereador Elizeu Liberato, presidente municipal do PR, apesar de sua candidatura ter sido lançada pela convenção estadual do partido, ele abrirá mão de sua candidatura caso o PR não consiga sair do chapão do Ratinho na proporcional, se coligando apenas com o PRB. Do ponto de vista Federal, PR apoiará Giacobo, usando como justificativa ele ser de Foz, por ter seu domicílio eleitoral na cidade.

Hortêncio Castilha, vice-presidente do diretório do PDT em Foz disse que com os problemas passados com Nanci Rafain, o diretório de Foz não a apoiará e uma eventual candidatura sua depende hoje da convenção estadual, estando nas mãos do presidente estadual do PDT, Osmar dias, seu futuro político. Castilha também comentou que Nelton Friedrich seguirá candidato como Deputado Federal, pois o diretório o entende como viável.  

Em sua vez, Eduardo Teixeira, falando em nome do PTB ressaltou o desprendimento do presidente da Câmara, Rogério Quadros, que ao ser convocado pelo diretório estadual para sair candidato a Deputado, disse que não aceitaria pelo bem da cidade e por entender que tem um papel a cumprir na câmara.

O tenente coronel Jahnke, presidente municipal do PODEMOS, disse que apesar de ter apresentado boas intenções de votos em pesquisas internas, também abriu mão da candidatura pensando na união pela cidade. E apesar de concordar com a necessidade de termos apenas candidatos viáveis, ressaltou que não tem poder para interferir nas candidaturas de Dr. Neiva e Jackson Cabañas, pois seus nomes foram chancelados por Álvaro Dias, pré-candidato a Presidente e Renata Abreu, presidente nacional do PODEMOS, respectivamente.

Wanderlei Teixeira, presidente do PSD elogiou a iniciativa da ACIFI, disse que por concordar com essa avaliação, no último final de semana o partido retirou a candidatura de Inês Weizemann, concentrando seus esforços em torno da candidatura de Professor Sérgio, porém seu partido em Foz do Iguaçu continua apoiando 3 diferentes candidatos a Deputado Federal: Vermelho, Marcio Rosa e Evandro Roman.

Por sua vez, Camilo Rorato presidente municipal pelo PSDB, disse que o único candidato do partido na cidade é Phelipe Mansur e criticou inclusive quem defende voto em candidatos de Foz, mesmo que eles não tenham viabilidade. Isso porque, votar em candidatos “fracos” somente por serem de Foz, apenas contribui para eleger candidatos “fortes” que não têm compromisso com nossa cidade e região.

Passou a palavra para Phelipe Mansur, que elogiou a iniciativa da Acifi, deixando claro que seria ingenuidade esperar que esse movimento de união partisse dos partidos políticos, que por definição, são “partes” e têm interesses próprios. Para que essa iniciativa tenha êxito, ela precisa ser liderada pela sociedade civil. Por fim, Mansur defendeu que fossem feitas pesquisas de opinião na cidade e que apenas os 3 ou 4 primeiros lugares, mantivessem suas candidaturas. Garantiu que, se o seu nome não estivesse entre os primeiros lugares, abriria mão de sua candidatura imediatamente.

Roberto Apelbaum, presidente do PMDB disse que pelo fato do partido estar passando por uma reestruturação, não lançara candidatos nessa eleição, mas que já está trabalhando para 2020. Apesar de elogiar a iniciativa da Acifi, criticou a demora para fazer algo que a seu ver deveria ter começado há dois anos.

Nilton Bobato, representando o PCdoB, disse que a idéia de basear a viabilidade de candidatos por pesquisas locais, pode ser um erro. Pois, usando seu exemplo, disse que seu partido lhe apresentou uma excelente proposta com dobras com mais 20 candidatos federais em todo Paraná, o que ele entende que torna sua candidatura viável de fora para dentro.

Passado as falas dos partidos políticos, Walter Venson e Faisal reforçaram que em nome da cidade os partidos deveriam pensar em cortar na própria carne, fazendo grandes concessões para que a cidade possa de fato ter bons representantes.

 Neuso Rafain defendeu que a cidade adotasse o modelo americano, onde instituições da sociedade civil escolhem um único candidato e fazem campanha aberta para ele. E Olavio Batista do PDT, além de reforçar tudo o que havia sido dito, defendeu que não só a cidade escolha poucos candidatos para eleger, mas que cobre o compromisso deles de cumprir seus mandatos até o final, pois de nada adianta uma mobilização social em torno de poucos nomes, para que eles fiquem apenas 2 anos como nossos representantes, como já vimos acontecer algumas vezes.

Esperamos que essa reunião saia do discurso e dê bons frutos, para que a cidade de Foz possa ter voz nas esferas estaduais e federais.