Saúde vai integrar armazenamento e distribuição de medicamentos no SUS

O Ministério da Saúde vai contratar uma única empresa para logística, armazenamento e distribuição de medicamentos e outros produtos do SUS. A medida é inédita e acabará com 15 contratos que atualmente prestam o serviço de forma descentralizada, como de locação de imóveis, manutenção dos equipamentos e mão de obra, limpeza. Com a mudança, deve aumentar em 20% o espaço para conservar os insumos, aprimorar o controle de prazos de validade e entregas, além de reduzir custo, segundo aponta estudo feito pelo Ipea.

A licitação no novo modelo foi publicada na segunda-feira, 20, e garante a responsabilização da empresa desde a retirada do produto, nos portos ou aeroportos, o transporte, a armazenagem até a entrega. Assim, responde pelos desvios ou pelo mal acondicionamento do medicamento. A expectativa é que o novo fornecedor, a partir de ferramentas modernas, acompanhe inclusive informação sobre data de vencimento. Assim, será possível tornar esses serviços mais eficazes e coordenar melhor os gastos, pois evita valores adicionais além do previsto em contrato. 

“Com o excesso de contratos e todos descentralizados é uma tarefa complexa coordenar de forma efetiva a qualidade dos serviços. A centralização diminuirá os riscos de perdas de medicamentos e insumos na armazenagem, garantirá mais agilidade na distribuição, reduzirá o tempo para o transporte e vai melhorar a infraestrutura. Com certeza, daremos maior agilidade na entrega”, enfatiza o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Com a mudança, todos os estoques do Ministério da Saúde estarão concentrados em São Paulo. Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a centralização no estado deve reduzir em 20% os gastos de logística. Dois dos maiores aeroportos do país, inclusive o principal para importação de medicamentos, estão em São Paulo e isso reduz custo com transporte. Além disso, 64% da demanda por medicamentos e insumos de saúde está no Sudeste e São Paulo é o estado que apresenta as melhores propostas de empresas especializas com menor custo. 

Atualmente, são oito armazéns (câmaras frias, armazém de insumos e de praguicida), quatro deles no Distrito Federal e quatro no Rio de Janeiro.  E cada um deles mantém outros contratos de aluguel, mão-de-obra e manutenção, por exemplo.