Homicídios caem quase 25% em Curitiba nos primeiros seis meses de 2017

Parana Divulga Sem categoria Leave a Comment

Os primeiros seis meses de 2017 terminaram com uma redução expressiva do número de homicídios na cidade de Curitiba. A queda foi de 24,4% se comparado com o primeiro semestre de 2016. Foram 233 mortes no ano passado e 176 este ano – portanto, 57 assassinatos a menos. É o menor número de homicídios já registrados em Curitiba nos últimos 10 anos — quando a Secretaria da Segurança Pública do Paraná iniciou a contagem.“É um índice favorável que reflete o trabalho que esta sendo feito pelas forças de segurança do Paraná. Este índice já vem em sucessivas quedas desde 2010 quando o governo começou a fazer investimentos focados e especializados na área de repressão a homicídios”, avalia o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita.Para o secretário, o trabalho integrado das Polícias Civil, Militar e Científica ajuda a explicar a diminuição expressiva. “O resultado advém do trabalho da Polícia Militar através das UPS que foram posicionais em locais de maior incidência de homicídios cirando uma relação de convivência e confiança dos moradores com policiais. Assim, as informações chegam até a polícia de forma natural”, afirmou.Por parte da Polícia Civil, “com a mudança de delegacia de Homicídios para Divisão de Homicídios de Proteção a Pessoa (DHPP) existem mais delegados, escrivães e investigadores que têm se especializado no combate a este crime, aumentando assim a efetividade. O trabalho da Policia Científica também é extremamente importante na coleta de provas no local de crime para dar subsídios para futuros mandados de prisão e de busca para chegar a autoria do crime”, completou o secretário.Além da parceria entre as forças de segurança, o diretor da Polícia Científica do Paraná, Hemerson Bertassoni, ressalta a importância do banco de dados de DNA do Paraná que é integrado a todos os laboratórios do país. “A ação integrada da Polícia Científica com a Polícia Civil na elucidação destes crimes apresentando provas robustas de maneira inequívoca. O que tem ajudado bastante na elucidação dos homicídios é o banco de dados de DNA com identificação genética nacional”, explica Bertassoni.REDUÇÃO DE 56% — O cenário já foi pior. No primeiro semestre de 2010, ainda durante o governo passado, foram contabilizados 404 homicídios – uma média de 67 assassinatos por mês. No ano seguinte, já no primeiro governo Beto Richa, registrou-se uma redução de 11% e desde então o número de assassinatos em Curitiba vem caindo.Durante a gestão de Richa o número de homicídios despencou 56%: de 404 para 176, comparando os primeiros seis meses de 2010 e 2017.“São números extremamente satisfatórios. É uma redução de mais de 50%. É um importante avanço no enfrentamento dos crimes contra a vida. Tenho certeza que a eficiência da Polícia Civil nas investigações tirando de circulação os autores e mandantes dos crimes desta natureza e a eficiência da PM no policiamento preventivo é que resultou nesta importante redução destes crimes contra a vida”, disse o delegado geral da Polícia Civil, Julio Cezar dos Reis.  De acordo com o titular da Divisão de Homicídios e Proteção da Pessoa (DHPP), delegado Fábio Amaro, vários são os fatores que influenciaram na “significativa e interessante” queda de assassinatos em Curitiba. O primeiro deles seria a integração maior existente entre os órgãos de segurança pública, com a Polícia Militar, Guarda Civil e a Divisão de Homicídios realizando operações pontuais de prevenção e combate a esse tipo de crime nas regiões de maior incidência identificadas pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape) da Sesp.“Outros fatores são o aumento expressivo no número de prisões de homicidas, de expedições de mandados de prisão, a parceria irrestrita das redes de atendimento da DHPP, do Ministério Público, das 1.ª e 2.ª Varas dos Júri de capital. Além disso, houve a reativação do Disque Denúncia, que até o presente momento nos trouxe mais de 500 denúncias desde o final do ano passado, nos dando um norte importante nas investigações”, citou o delegado.Ele explica que com a possibilidade da realização de ligações anônimas, através do atendimento de um computador, as testemunhas se sentem mais seguras para fazer a denúncia que, após o trabalho de inteligência e investigações, acaba convertendo em prisões e elucidações de crimes. O número para atendimento é o 0800-6431-121.“Esperamos que essa tendência de queda nos homicídios persista. Sabemos que é difícil, mas a equipe da DHPP está toda empenhada para conseguir esse objetivo”, concluiu Amaro.Dados*:1º Semestre 2007 – 2381º Semestre 2008 – 2911º Semestre 2009 – 2991º Semestre 2010 – 4041º Semestre 2011 – 3581º Semestre 2012 – 3271º Semestre 2013 – 2651º Semestre 2014 – 3051º Semestre 2015 – 2181º Semestre 2016 – 2331º Semestre 2017 – 176

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *