Cidades Curitiba

Confusão com travestis termina com uma pessoa morta, três baleadas e uma presa

Ocorrência envolveu pelo menos seis pessoas; uma travesti morreu e outra foi presa

18/01/2022 às 21h57 Atualizada em 18/01/2022 às 22h04
Por:
Compartilhe:
Paulo Fischer/ RICTV
Paulo Fischer/ RICTV

Uma confusão envolvendo seis pessoas foi registrada na noite desta segunda-feira (17), na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Um caminhoneiro, morador do bairro Sítio Cercado, foi surpreendido por dois suspeitos quando iniciava uma viagem com destino a São Paulo. Segundo informações, outras duas travestis participaram do crime e um atirador feriu pelo menos três pessoas.

 

O balanço da confusão é: uma travesti, de 25 anos, morta; uma outra travesti presa; dois suspeitos baleados em observação no hospital; um atirador que se apresentou à delegacia; e uma vítima, o caminhoneiro.

 

Confusão na CIC

 

O início da confusão aconteceu na rua Juscelino Kubistchek, na marginal do Contorno Sul, na CIC. O caminhoneiro estava indo em direção a um posto de combustível, antes de seguir viagem com destino a São Paulo, com uma carga de vinho. Entretanto, quando passava pela marginal foi abordado por dois suspeitos. 

 

O caminhoneiro parou o veículo e colocou o caminhão à disposição dos homens. Logo na sequência, duas travestis acessaram a cabine do automóvel e deram voz de assalto. 

 

A vítima realizou a transferência e teve um celular e cartões levados pelos suspeitos. Porém, tiros foram escutados logo em seguida. Um atirador teria passado pelo local, percebido a ação e feito os disparos.

 

Uma das travestis foi baleada e não resistiu. Os outros dois homens que acompanhavam o crime também foram feridos e encaminhados na sequência para atendimento. Já a outra travesti não foi baleada e foi presa.

 

Mais tarde, um homem compareceu à delegacia e se apresentou como o atirador. Segundo informações extra oficiais, o rapaz declarou que também foi vítima dos suspeitos. O homem teria disparado para se proteger de uma tentativa de assalto e não porque presenciou o crime contra o caminhoneiro.

 

Após a identificação dos suspeitos, o caminhoneiro teve os bens recuperados. O caso deve ser investigado.