Tríplice Fronteira volta ser alvo de especulações de financiamento ao terrorismo

Parana Divulga Mercosul

Não demorou muito para a Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina voltar a ser alvo de especulação de financiamento do terrorismo após os Estados Unidos abrir nova frente de batalha no Oriente Médio.

“Grupos ligados à organização islâmica libanesa Hezbollah que também estão relacionados ao PCC se movimentam para aumentar o envio de drogas e dinheiro para o Oriente Médio”, escreveu Cláudia Neis, no O Paraná.

No final dos anos 1990 e início dos anos 2000, a Tríplice Fronteira e especialmente Foz do Iguaçu eram constantemente citados por supostamente financiar ações de terrorismo.

Até fotos, que seriam das Cataratas do Iguaçu, teriam sido “encontradas” em uma caverna supostamente utilizadas por Osama Bin Laden.

As especulações traziam reflexos especialmente ao turismo internacional na região, uma vez que dificilmente os estrangeiros queriam visitar um lugar onde “terroristas” andavam livremente pelas ruas.

Foz do Iguaçu abriga a segunda maior comunidade árabe do Brasil, fato que abre motivos para especulações e, por que não dizer, ilações das mais variadas e perversas possíveis.

As facilidades de trânsito pela Ponte Internacional da Amizade, que une Brasil e Paraguai, são apontadas novamente como foco facilitador de financiamento do terrorismo.

Ponto de vista
O que não fica claro na reportagem, é que o Irã é um país de origem persa, não árabe como sugerido.

O Irã é xiita e Bin Laden, personagem sempre recorrido para se referir ao terrorismo, é sunita, logo são inimigos.

A foto encontrada na caverna, mencionada pelo blog, era de uma cachoeira, não das Cataratas do Iguaçu.